quarta-feira, 25 de setembro de 2019

BERSHKA X Billie Eilish - DUH!

A Inditex não dorme, acho que até o mais desatento dos indivíduos já percebeu isso. E por isso começa a fazer cada vez mais colaborações e coleções especiais - como aliás outras marcas já fazem há alguns anos.

Eu vi esta há umas semanas quando a criatura andava por cá - sem ofensa para os fãs, que eu sei que estão aí - e fiquei meia perplexa.

A Bershka lançou uma coleção em  parceria com  a Billie Eilish.

Bershka x Billie Eilish - TehTeh Uncovered
Bershka x Billie Eilish

Atenção, eu até compreendo. A moça está "na moda" - mas nem por isso - e das marcas do grupo Inditex esta é sem dúvida a mais adequada ao estilo, e provavelmente mais importante à idade da grande maioria dos fãs dela.

O que eu não estava a perceber é como é que Billie Eilish - roupa larga, excessiva, quase masculina, completamente anti-mainstream - se enquadrava nas coleções da Bershka que eu sempre vi como...nem sei bem, mas o oposto disso.

Pensei que a coleção estaria cheia de t-shirts oversize gráficas - é moda e é comum a ambas as imagens - e pouco mais que isso.

Mas a verdade é que existe uma coleção inteira - maioritariamente de t-shirts gráficas e fatos coordenados, bem ao estilo da menina Billie.

Bershka x Billie Eilish - TehTeh Uncovered

Curiosamente, ou não, porque os srs. da Inditex são inteligentes, a maioria das peças até são usáveis e a canpanha foi feita com bom  gosto.  Mas nem tudo é o que parece.

Bershka x Billie Eilish - TehTeh Uncovered

Eu pessoalmente não usava este coordenado. Mas confesso que o acho o mais autenticamente Billie Eilish de toda a coleção. Embora tudo o que é coordenado de sweatshirt e joggers seja definitivamente dentro do estilo dela.

O resto, para mim é muito uma coleção de merchandising - à la Taylor Swift x Stella McCartney mas bem mais acessível - e este é um ponto positivo, porque os preços não são muito mais caros que o normal da marca.

Concluindo...eu não sou fã da miúda nem da loja, mas não resultou mal. Houve grandes cedências de ambas as partes, na minha ótica, mas não deixa de estar coerente.

A coleção está à venda no site, não tenho a certeza se encontram em lojas físicas.

Que acham? Já alguém viu/comprou?

xoxo

sábado, 21 de setembro de 2019

A dream (almost) come true

"Living in Winter, I am your Summer"


É tarde de sábado, em setembro, e está a chover. Eu estou de coração cheio e a ver sol...mais ou menos.

Isto já não será novidade para muitos, embora quase passasse despercebido pelo meu radar porque não devo estar a ouvir as notícias certas.

Taylor Swift é cabeça de cartaz do NOS Alive 2020.


Eu sei, é uma notícia um tanto controversa. Afinal, o NOS Alive era conhecido como um festival de rock e a Taylor está longe de ser uma escolha óbvia para este cartaz.

Eu estava sinceramente a contar que fosse no próximo RIR....mas enganei-me.

A questão é que - e podem comprovar isso carregando na etiqueta com o nome dela aqui abaixo - para quem segue a Taylor Swift desde há mais de 10 anos, comprou o primeiro dela a ser lançado em Portugal, gritou quando viu o primeiro video na TV e ouviu a primeira música na rádio  e ainda tem todos os seus perfumes...

Yap, este concerto está na minha bucket list. Nem me importa quem mais toca no festival.

Só tem 2 problemas:
  1. A entrada diária do Alive custa 69€
  2. Eu vivo a umas centenas de km de lá
É aqui que a porca começa a torcer o rabo...eu não quero perder esta turné da Taylor, não tenho as menores dúvidas que vamos tê-la cá na sua melhor fase...mas é um plano arriscado.

Por isso vou mandar uma mensagem para quem estiver a ouvir: 


Os bilhetes estão à venda a 28 de setembro, eu faço anos a 29...quem me dá a melhor prenda de anos de sempre?


Deixo-vos com Lover, a minha música do momento.


domingo, 8 de setembro de 2019

Filme: Extremamente Perverso, Escandalosamente Cruel e Vil

Alguma vez quiseram ver um filme sobre o Ted Bundy? Hoje vou recomendar-vos um.

Extremamente Perverso, Escandalosamente Cruel e Vil (eu sei de onde tiraram o título  mas era mesmo necessário ser assim tão longo?) é um original da Netflix, salvo erro, e penso que está disponível desde maio - eu é que estou bastante atrasada.


Este filme é protagonizado pelo Zac Efron (não revirem já os olhos) e a Lily Collins. Tem também uma participação bem curiosa do Jim Parsons.

Sim, o enredo foca-se na história do serial killer Ted Bundy, mas de uma forma que eu nunca me lembro de ter ouvido - e já ouvi várias, porque este moço é dos assassinos mais famosos de sempre.

Em vez de se focar nos homicídios, o filme gira em volta da relação de Ted com a sua namorada de longa data e também na forma como ele foi iludindo a justiça até ser finalmente ser sentenciado na Flórido.

Uma das coisas que eu, pessoalmente, gostei nesta película é que tem poucos detalhes gráficos sobre os homicídios. Honestamente, com tanto  documentário por aí sobre o assunto, acho que realmente esta versão da história não necessita.

Outra coisa que eu gostei foi da forma e do ângulo que este filme usou, que evidencia a inteligência e o charme que o moço tinha, e que o manteve vivo aqueles anos todos. Também mostra contrastes, a forma como  os métodos que Bundy usava para iludir a polícia foram mudando.

As interpretações são sólidas. A Lily Collins com o poder dramático que já tem provado possuir e o Zac...O Zac Efron nem sempre faz as melhores escolhas para a carreira dele, mas já o vi em ótimos filmes, e neste ele caminha entre o charme e a escuridão da personalidade do Ted Bundy de uma forma bem convincente.

Se em termos físicos podiam ter encontrado um ator mais semelhante - não tenho dúvida, mas acho que adequaram bem os padrões de beleza dos anos 60, 70 e 80 aos de hoje.

E é essa a minha última nota - os cenários e as caraterizações estão impecáveis para o que eu conheço de cada uma destas épocas.

Pessoalmente recomendo se quiserem ver um filme sério mas não demasiado pesado.

xoxo

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

Lápis de Cor Louis Vuitton - PORQUÊ?

Eu não sei se vocês tem interesse nisto mas...é moda, é arte. A mim interessa.

Só não percebo a necessidade de a Louis Vuitton fazer um conjunto de lápis de cor de edição limitada...que custa $1000.

Vejam o video - a sério.



Eu tenho o hobby de desenhar, especialmente pessoas, mas nem sou muito de apostar em materiais caros - eu uso lápis da BIC, Note e Giotto, maioritariamente, se tiverem curiosidade - porque é uma coisa que faço umas semanas por ano, depois paro e só volto a desarrumar a tralha no ano seguinte.

A questão é que me parece que as marcas de luxo estão a ficar com falta de imaginação...ou excesso dela.

Que a Louis Vuitton fizesse um rolo para lápis ou pincéis eu entendia. Há gente para tudo. e aposto que as meninas da beleza adoravam ter um para os acessórios de maquilhagem.

Agora fazer os próprios lápis de cor e cobrar este preço? Por algo que é para ser afiado e portanto mais de metade vai para o lixo?

Pior ainda...lápis de má qualidade que não superam nem os mais baratos quanto mais os profissionais - que são $900 mais baratos, certamente?

A sério que não entendo...Podem por favor limitar-se a fazer o que sabem e não desperdiçar o dinheiro dos vossos fãs?

Agora pergunto eu:

Alguém por aí pensava sequer em comprar?

sábado, 31 de agosto de 2019

Dia do Blog

Olá.  Estou cá outra vez. Ainda não descobri o meu caminho, mas neste momento tenho alguma necessidade de escrever... algo. E o Dia do Blog parece-me uma data importante de celebrar.

Honestamente, 10 anos depois de começar este blog, e estando um pouco reticente em relação ao rumo  que ele vai levar, o Dia do Blog é uma data que me toca de uma forma curiosa.

Eu vi a blogosfera crescer e mudar no nosso país, mas se por um lado esta é uma das minhas grandes paixões - escrever por mim e para mim - sempre soube que não seria a minha carreira.

Não me perguntem porquê, mas a realidade é que eu adoro falar do que me apaixona, mas odeio focar as atenções em mim. Não sou esse tipo de pessoa ou de blogger.

E talvez seja por isso que estou na posição em que estou.


A blogosfera é um lugar maravilhoso que parece ter espaço para roda a gente. Em teoria, qualquer pessoa pode ter um blog sobre qualquer assunto. Muitos blogues até sobrevivem sem uma única palavra ser usada no conteúdo - não me perguntem como.

Mas ter um blog hoje em dia não é o mesmo que era há anos. Há padrões a seguir, promessas implícitas que têm de ser cumpridas.

Essa é uma das razões pelas quais me sinto tão desconectada deste meu "cantinho".

Quando comecei achava que ia ter um blog sobre tudo o que me interessava, mas depressa percebi que nem toda a gente tem interesses tão vastos como eu,  e que os leitores procuram consistência. Para criar uma comunidade, tinha de me identificar com um tema.

Hoje em dia esse tema já não é o meu maior interesse, e a comunidade está muito mais dispersa. Se eu deixar de publicar durante umas semanas, depressa sou esquecida.

Os blogs não deviam ser uma obrigação, mas sim um lugar onde podemos ser nós próprios. Talvez por isso muita gente abandone os seus projetos tão depressa hoje em dia.

É isso que eu espero conseguir no futuro: ter um blog que seja um espelho de quem eu sou aos 27 anos de idade e não de quem fui aos 18 ou aos 25.

E espero estar a celebrar mais um Dia do Blog daqui a um ano, de preferência com uma mensagem mais positiva.

xoxo

PS: Podem ler outra perspetiva - não muito diferente desta - sobre este assunto AQUI.

domingo, 25 de agosto de 2019

O TehTeh Uncovered tem de mudar

É domingo à noite e eu tenho um anúncio a fazer.

Este blog tem de mudar. Eu não publico aqui há meses, e como devem imaginar, não é só por estar ocupada.

Já tenho este espaço há quase 10 anos, e acontece muita coisa em 10 anos. Neste momento, eu não tenho as mesmas prioridades ou interesses que tinha sequer há um ano atrás.

Pensei em fazer uma pausa para perceber o que realmente me apaixona e de que eu possa falar aqui sem me afastar demasiado da minha audiência. Mas fazer uma pausa depois de meses de ausência é redudante, por isso hoje decidi que era tempo de aceitar o  inevitável.

Se este blog é para continuar, então vai ter de mudar.


Eu ainda n´~ao sei bem o que vai acontecer daqui para a frente. Tenho de perceber o que é que realmente me entusiasma neste momento que vos interesse a vocês também, o que não é tão fácil assim, porque quero voltar a fazer conteúdo genuíno, mas que também seja relevante.

Não digo que as publicações sobre beleza, por exemplo, vão desaparecer, eu ainda gosto de maquilhagem, só não compro nem uso tanto.

E também estou sem máquina fotográfica, o que dificulta fazer looks seja de makeup ou roupa.

Enfim, acho que já estou a enrolar um bocado. Espero só que compreendam, e que se não me abandonaram até agora, não o façam.

Entretanto, se quiserem saber mais sobre o que eu faço agora - e já agora podem deixar aí feedback para eu saber que vos interessa - passem no meu Instagram ou no meu novo blog, o Marketing da Teresa.