domingo, 22 de abril de 2018

A CULTURA FAZ BEM | Marco Rodrigues na Casa da Música

Olá maltinha, espero que estejam bem. Sim, estou aqui a um domingo, e já venho tarde. Venho tarde porque vos venho falar da noite super mágica e especial que passei ontem na Casa da Música.


Marco Rodrigues
Marco Rodrigues - Casa da Música

A noite passada tive o privilégio de assistir ao concerto do (desculpem a familiaridade) Marco Rodrigues, que trouxe o seu Copo Meio Cheio até à Casa da Música, no Porto. Fui como convidada da Universal Music Portugal, a quem desde já agradeço - eles só  me deram os bilhetes e o direito a tirar fotos, não façam  filmes - por esta oportunidade única e magica.

É verdade que eu já falei muito mais de música por aqui, e se calhar vocês não fazem a menor ideia do que eu oiço estes dias. O fado não é a minha primeira escolha, e contam-se numa mão  os concertos dentro do estilo que vi na minha vida, mas não sei se é de mim ou dos artistas, cada vez mais consigo ver o encanto desta música que é só nossa. E o Copo Meio Cheio é um excelente exemplo de um disco que pode bem trazer o fado até mesmo ao coração daqueles que nunca se imaginariam a cantar em plenos pulmões neste género.


Marco Rodrigues
Marco Rodrigues - Copo Meio Cheio - Porto

Eu confesso que tenho uma relação engraçada com a Casa da Música - eu adoro a fusão da decoração moderna e futurista com as salas pequenas e intimistas, mas não adoro a fachada. No entanto, sempre quis lá ir ver um espetáculo, e ontem à noite tudo se conjugou para construir um serão perfeito -  até calor estava!

A Sala 2, onde o concerto se deu, é bem pequenina, das mais pequenas em que já estive. Tem uma disposição como se de um teatro se tratasse, e foi perfeita para este concerto, porque tudo se via, tudo se ouvia, e a interação acontecia com a naturalidade que não se consegue numa sala grande - não admira, portanto, que este tenha sido dos concertos mais vibrantes e interativos em que eu alguma vez estive.

Marco Rodrigues
Marco Rodrigues

Mas vamos então falar do Marco (mais uma vez, peço desculpa pela intimidade, mas bem, ontem ficamos todos muito próximos). Eu confesso que, tirando o dito Copo Meio Cheio, que se ouve um pouco aqui, ali e em todo o lado, apenas lhe conhecia bem o tom de voz e o sorriso com que se mostra em quase todas as fotos que vi dele.

Fiquei assim, não sei exatamente porquê, um pouco surpreendida quando o vejo apresentar-se de calças de ganga e sapatilhas. Mas tudo fez sentido, porque este não era um concerto de fado para "chorar baba e ranho". Aqui o fado era alegre, corrido, tinha piadas pelo meio, público a bater palmas....e muitas surpresas, que começam quando ele entra pela plateia a cantar e acabam quando saímos da sala e ele está à nossa espera com uma última música.


Marco Rodrigues

Como o próprio nome indicava, este concerto focou-se no Copo Meio Cheio, mas não só. No início, em jeito mais sério e intimista, tivemos direito a alguns temas mais tradicionais, daqueles que todos nós reconhecemos, mesmo quando não somos os maiores especialistas neste género musical que é Património Imaterial da Humanidade.

Nessas canções - mas não só - deu para perceber o excelente aparelho vocal do Marco e a mestria com que domina a guitarra. Infelizmente, também foi a secção mais difícil de fotografar, por causa do palco simples e da luz baixa.


Marco Rodrigues
Copo Meio Cheio

Já no palco do Copo Meio Cheio, que eu adorei, com as suas letras iluminadas ora em azul ora em vermelho sobre o fundo, vimos o Marco cantar, contar histórias, fazer piadas, e interagir com  o publico, respondendo a comentários, incentivando as palmas e até puxando um falsete que me deixou  completamente surpreendida.

Aqui  houve "Fado do Cobarde", "Copo Meio Cheio", "Vapores" e outros temas que misturam letras contemporâneas de artistas como os ÀToa, o Boss AC e o Carlão com sons que são do fado mas também da alegria e que pertencem à vida moderna (até de um pai babado, que nos derreteu e divertiu a todos no final com uma dedicatória ao seu menino)


Marco Rodrigues
Marco Rodrigues e Diogo Piçarra

Mas claro que o momento mais alto - a dobrar - foi mesmo "O Tempo", que contou com  o seu autor em palco, o  Diogo Piçarra. Eu devo dizer que o Piçarra devia dedicar-se ao fado, porque não canta nada mal e, sem querer desfazer do resto da carreira dele, esta é provavelmente a música mais bonita que ele já escreveu - na minha humilde opinião, claro.

Foi lindo com  o Piçarra, foi lindo no  encore só com o Marco, foi lindo com o público a cantar em coro...não é por acaso que esta canção tem milhões de visualizações no YouTube (podem ver um clipe deste momento no meu Instagram).


Marco Rodrigues


O que é que se diz depois disto? O copo pode estar meio cheio, mas a alma ficou a abarrotar. Não estive um minuto parada ou aborrecida durante todo o concerto, e soltei até umas boas gargalhadas com o sr. Marco (agora vieram as boas maneiras) e a sua trupe, que não só é composta de músicos talentosissímos mas também contribuiu imenso para a boa disposição durante o  serão.

E apesar de ser a estrela, o Marco foi generoso não só ao partilhar o palco com o Diogo Piçarra e cantar um tema dele, mas também ao dar momentos de destaque aos seus músicos, particularmente o Ricardo Silva (nunca mais me esqueço do nome) que aparentemente é novato na guitarra portuguesa-


Marco Rodrigues


Foi uma noite única e mágica,  não me canso de repetir, e eu diverti-me imenso. algo que se calhar não teria imaginado há uns anos atrás.

Resta-me agradecer ao Marco Rodrigues e aos seus músicos por este serão, à Casa da Música por trazer este espetáculo até nós e à Universal por me levar até lá.

Alguma vez estiveram num concerto de fado? Apreciam?

xoxo

20 comentários:

  1. Estou totalmente de acordo o concerto foi mágico intimista e alegre, ao mesmo tempo. Embora já fosse fá do Marco Rodrigues há algum tempo nunca o tinha visto ao vivo, adorei.

    ResponderEliminar
  2. que fixe, gostava de ter ido :)
    beijinhos :) https://ratsonthemoon.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eu gostei imenso, e aposto que tu também =)

      xoxo

      Eliminar
  3. Respostas
    1. tenho as minhas dúvidas - O Tempo deve ter sido das portuguesas mais tocadas do fim do ano passado e com boa razão =)

      xoxo

      Eliminar
  4. Não conheço... mas parece que tu gostaste. E na casa da música ainda melhor.
    Xoxo

    marisasclosetblog.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. uau, eu não fazia ideia que havia tanta gente que não conhece...custa-me a acreditar quando este disco - ou pelo menos os singles - tocam todos os dias um pouco por todo o lado!

      mas eu acho que se ouvisses reconhecias com certeza, e o es+aço da Casa da Música é realmente excelente para este tipo de concerto!

      xoxo

      Eliminar
  5. Que bacana, não conhecia. Mas, creio que foi um show e tanto..

    Um beijo,

    My Pure Style x My Instagram x My Facebook 

    ResponderEliminar
  6. Digo-te desde já que de tradicional não têm nada eheh :)

    Adorava ver o Diogo ao vivo!

    NEW REVIEW POST | NUXE: WILL LEAVE YOUR LIPS AS NEVER SEEN BEFORE!
    InstagramFacebook Official PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (yap. sorry pela ignorancia...curiosamente este também não haha)

      epah, o concerto não era dele, mas esteve muito bem nas músicas que cantou e pareceu simpático =)

      xoxo

      Eliminar
  7. Não o conhecia confesso no entanto fiquei curiosa, deve ter sido divertido
    https://retromaggie.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. foi bem mais divertido do que eu esperava, isso é inegável =)

      xoxo

      Eliminar
  8. Parece ter sido maravilhoso.
    Beijinhos
    http://virginiaferreira91.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. maravilhoso é uma excelente palavra para descrever esta noite =)

      xoxo

      Eliminar
  9. Respostas
    1. eu acho o design exterior...estranho, mas adoro andar lá dentro =)

      xoxo

      Eliminar